domingo, 15 de agosto de 2010

Tudo Passa

Passa a vida lá fora,
não passa a dor da ferida.
Passa a jovem senhora,
não passa a lembrança sofrida.
Passa o jovem de agora,
e não passa a esperança sentida.
Passam os dias, passam horas,
mas não passa o peso da lida.
Tudo passa sem demora
e vai passando a própria vida!

Cai uma gota de orvalho,
vem o sol, vira vapor.
Caem cartas de baralho,
da manga do enganador.
Envolta em antigos retalhos
foi que ocultei esta dor!

Um comentário:

Voz de Milla @---^----- disse...

Adorooooooo as reflexões do DEVIR!

Tenho esse que recitei:

http://avozdemilla.blogspot.com/2010/02/blog-voz-de-milla-podcast-egotrip-o.html

Lindo seu Blog um paraíso de "Um caso de amor com a poesia e a realidade"