sábado, 20 de agosto de 2011

Curva da Vida

A paixão não tem medida,
nem tampouco o desamor.
já não existe mais pressa,
sumiu, por inteiro o temor.

A pressa ganhou uma ruga,
E a  urgência derreteu.
Feito gelo. Não vingou.
Feito flor que pereceu.

Foi-se embora o frenesi;
Levaram os meus brinquedos.
Vieram muitas respostas
para aplacar os meus medos.

Veio experiência, veio paz,
surgiu um olhar perene.
Nasceu também a saudade
e tudo ficou tão solene.

2 comentários:

Leila Andrade disse...

Contanto que não tenha acabado o sentimento...

Ana disse...

Estive aqui lendo tudo com calma,adorei cada cantinho de tudo isso.Grande beijo