sábado, 16 de março de 2013

Vinil

 
Eu ainda sinto o tátil do vinil,
os amigos chegando,
alegrias sinceras estampadas
nas faces tão jovens.
 
E trinta anos se foram,
como quem vai na esquina
comprar pão e leite.
 
As vezes volta,
mas as vezes não volta
nunca mais!

3 comentários:

Serpente Angel disse...

Verdades... Desculpe, ñ resisti, a porta estava aberta, entrei, eram assim, nos reuniamos nas casas, cada sabado ou feriado na casa de alguém, eram tempos maravilhosos aqueles, demais... Puxa! que saudade boa você me trouxe com esse seu post! Imagens que remetem-me a um passado muito distante, que me traz uma memória tão viva daqueles dias. Ontem que está tão longe agora fica na memória como brinquedos que fizeram parte do meu passado, não volta, é bem verdade, mas está muito vivo também, vinil de tantas canções que nos fazem recordar e tantas vezes (sonhar) varias páginas, paginas inteiras,rememmber, seção nostalgia, que alegria! Não tem como não lembrar daquela época, das suas bandas, das suas músicas inesquecíveis, belos sonhos, belos dias! tenho certeza que quem tem mais de 40 vai lembrar daqueles dias que escorrem como uma montagem na imaginação. Parabéns e obrigada por me fazer sentir saudades, grande abraço, bom final de semana. ...

Serpente Angel disse...

Sic>>> tive meu silêncio interrompido, literalmente (pelo nostalgico som do vinil) Obrigada.

POESIAS E AVARIAS disse...

Obrigado por ter vindo Serpente Angel e, se veio é pq sabe exatamente o que senti ao escrever o poeminho.
Faça desta a tua casa tb.